Os perigos da adultização das crianças

Postado em 04/11/2017

Os perigos da adultização das crianças

Nos tempos atuais, as crianças estão se tornando pequenos adultos. Cada vez mais cedo, as crianças assumem responsabilidades, disputam competições e tentam se tornar cada vez mais competentes.

Pipocam no comércio artigos à venda para o público infantil que até então somente os adultos consumiam, tais como: sapatos de salto alto, maquiagem, escova progressiva nos cabelos, esmaltes e até mesmo sutiãs com enchimento.

Vestir uma criança e produzi-la como adulto é deslocá-la da fase em que ela deveria estar e jogá-la no universo adulto. Munir uma criança de sexualidade é lhe dar uma arma carregada que ela não saberá usar, até porque passa longe da criança o sentido erótico por trás do que ela veste ou usa.

Frequentar semanalmente salões de beleza e clínicas de estética já viraram hábito de muitas crianças, com a concordância de suas famílias. Na maioria dos casos, isso acontece porque a criança pede e os pais não conseguem dizer o “não” tão necessário neste momento. E o resultado é que as crianças acabam ficando totalmente desprotegidas nesse universo que ainda elas não entendem, nem conseguem dominar.

Atualmente, as crianças parecem poder tudo. Pedem tudo sem aceitar o “não” como resposta. Desta forma, acabam por perder, já que não terão outro momento para viver a própria infância. E isso certamente trará graves consequências no futuro, como um vazio pela perda da vivência saudável de uma fase da vida que não volta mais.

No decorrer da história, a infância passou por grandes transformações. Antes, a criança era relegada a último plano. Aos poucos, passou a conquistar seu reconhecimento na sociedade. Hoje, no entanto, vemos que a mesma sociedade que legitima esse ser social, usa de poder para manipulá-la e sujeitá-la a pressões sociais. E percebemos que tudo indica para uma infância a caminho do desaparecimento.

Sem dúvida alguma, a mídia é a grande vilã dessa adultização. As músicas que as crianças cantam não são mais infantis. Maquiagem, roupa, sapato, copiam adulto como se os gostos fossem os mesmos. Abraçar e pegar na mão do filho é considerado motivo de vergonha. Crianças trabalham e apresentam programas infantis. Os jogos infantis são repletos de violência. Campeonatos infantis, que antes eram apenas momentos de lazer, hoje são motivo de cobrança por excelentes resultados.

A causa de tudo isso? Interesse econômico. Visando educar as crianças a serem consumidores em potencial e cada vez mais cedo. Cabe aos pais interferirem com firmeza e equilíbrio nesse processo, impedindo esse crescimento acelerado e desrespeitoso de seus filhos e respeitando seu processo natural de desenvolvimento.

As crianças precisam de tempo para crescer e pressioná-las ou permitir que elas vivam como adultos, só resultará em seres com dificuldades, inseguranças e conflitos no futuro.

Outras Notícias

 

Educação inclusiva: desafios da formação e da atuação em sala de aula
Postado em 17/04/2018

Além de aprender a adaptar o planejamento e os procedimentos de ensino, é preciso que os educadores olhem para as competências dos alunos, e não apenas para suas limitações. Daniela Alonso, psicopedagoga especialista em Educa&c...
leia mais »

Um bom começo
Postado em 10/04/2018

Bebês não têm autonomia e precisam de cuidados constantes, certo? Errado. Essa visão de que a criança de 0 a 2 anos é um ser passivo, ainda não preparado para a aprendizagem, é coisa do passado, como explica a prof...
leia mais »

O que fazer com os filhos nas férias?
Postado em 02/04/2018

Ele pode continuar aprendendo longe da escola e, o que é mais importante, estreitar laços afetivos que ficam um pouco esquecidos na correria do período letivo.

As férias se aproximam e os pais já começam a se desesperar: o que fazer com tanto te...
leia mais »