Diabetes em crianças: o apoio dos pais é fundamental

Postado em 02/09/2017

Diabetes em crianças: o apoio dos pais é fundamental

Ter tranqüilidade para acalmar as crianças é primordial para os pais que têm filhos com diabetes. E esse exercício é tão importante que foi uma das principais discussões do Congresso Americano de Diabetes no começo deste mês. “Vários trabalhos mostraram o quanto é fundamental o envolvimento familiar no tratamento de suporte das crianças com diabetes. Isso sugere que as crianças com melhor controle de diabetes são aquelas com mais apoio dos pais”, diz Luiz Eduardo Calliari, endocrinologista infantil do Hospital São Luiz.

Não há estudos que mostrem a porcentagem exata de crianças com diabetes no Brasil. Mas se sabe que o número é alto. “Em crianças, o diabetes mais freqüente é o tipo 1, ou juvenil. Porém, com a epidemia de obesidade nos últimos anos, já existem crianças com o tipo 2, o que aumenta a chance de elas apresentarem doenças cardíacas no futuro”, afirma Cristina Khawali, endocrinologista e membro do conselho consultivo da Associação de Diabetes Juvenil.

O diabetes tipo 1, que ocorre em geral na infância e na adolescência, é uma doença autoimune de fundo genético, mas também modulada por fatores ambientais, como viroses e poluentes. Segundo Cristina, existem teorias que sugerem que o desmame precoce (e a inclusão dos leites industrializados na dieta dos bebês) também pode estar relacionado com o desencadeamento do diabetes tipo 1. Os principais sintomas são quando a criança urina muito, sente sede além do normal e emagrece rapidamente, cerca de 5 a 10 quilos. Além disso, ela pode se queixar de fraqueza e até mesmo perder o controle do xixi durante a noite.

A doença não tem cura. O controle é feito por meio de reposição de insulina, hormônio que os pacientes param de produzir. O tratamento é complexo, doloroso e exige disciplina. São aplicadas injeções subcutâneas, geralmente de 2 a 4 doses ao dia, com seringas ou canetas aplicadoras, e é preciso fazer o controle da glicemia (açúcar no sangue), através de punção de ponta de dedo, também várias vezes ao dia.

O tratamento diário da doença mostra o quanto é importante os pais serem companheiros da criança. “A família é fundamental para a aceitação do diagnóstico, para a realização dos controles de ponta de dedo, aplicação de insulina e apoio psicológico da criança. Quando esses fatores estão equilibrados, há sucesso no tratamento, com melhor controle das glicemias e boa qualidade de vida”, completa Luiz.

Outras Notícias

 

Educação inclusiva: desafios da formação e da atuação em sala de aula
Postado em 17/04/2018

Além de aprender a adaptar o planejamento e os procedimentos de ensino, é preciso que os educadores olhem para as competências dos alunos, e não apenas para suas limitações. Daniela Alonso, psicopedagoga especialista em Educa&c...
leia mais »

Um bom começo
Postado em 10/04/2018

Bebês não têm autonomia e precisam de cuidados constantes, certo? Errado. Essa visão de que a criança de 0 a 2 anos é um ser passivo, ainda não preparado para a aprendizagem, é coisa do passado, como explica a prof...
leia mais »

O que fazer com os filhos nas férias?
Postado em 02/04/2018

Ele pode continuar aprendendo longe da escola e, o que é mais importante, estreitar laços afetivos que ficam um pouco esquecidos na correria do período letivo.

As férias se aproximam e os pais já começam a se desesperar: o que fazer com tanto te...
leia mais »