Como escolher a creche ou o berçário

Postado em 14/10/2017

Como escolher a creche ou o berçário

Só de pensar no fim da licença-maternidade, se sua opção foi usar os serviços de uma creche, berçário ou escolinha, bate aquele frio na barriga, afinal você terá que deixar seu precioso bebezinho sob os cuidados de estranhos. 

Para amenizar essa sensação, o melhor a fazer é pesquisar bastante diversos berçários e ter tempo para escolher um que a deixe mais confiante. Veja a seguir algumas dicas: 

Peça referências a amigas e conhecidas -- nada como começar por um local já testado e aprovado por outros pais.

 

  • Considere uma localização próxima à sua casa ou ao trabalho -- especialmente para quem vive nas grandes cidades, atravessar quilômetros e quilômetros de trânsito com um bebê chorando no banco de trás do carro pode ser uma experiência traumatizante para vocês dois. Ou então o bebê pega no sono durante o longo trajeto, no fim da tarde, e depois só vai querer dormir de novo lá pela meia-noite...
  • Estude bem seu orçamento -- muitos berçários hoje oferecem educação bilíngue, atividades extracurriculares ou alimentação especial, mas tudo tem um custo. Somando-se todas as despesas envolvidas na escolinha, a conta pode ficar bem alta. Pergunte sobre taxas de material, matrícula e outros tipos de cobrança além da mensalidade, para não ser pega de surpresa no meio do ano.
  • Visite o local e veja se terá acesso a todas as instalações -- apesar de alguns berçários preferirem agendar visitas, é importante poder entrar na área onde ficam os bebês para que você olhe como eles estão acomodados, se há berços individuais e janelas para ventilar o ambiente (os resfriados serão inevitáveis, mas é sempre bom saber que as crianças não ficam confinadas em um local completamente fechado).
  • Pergunte à direção da escola quantas professoras ou berçaristas há por bebê, e que tipo de treinamento/formação as profissionais têm. Até 1 ano de idade, o ideal é que haja pelo menos um profissional para cada três bebês.
  • Veja como funciona a fase de adaptação do bebê ao local -- o preferível é que cerca de duas semanas antes de você voltar ao trabalho a adaptação possa ser iniciada, com sua permanência no local, junto do bebê, durante algumas horas por dia.
  • Fique de olho na limpeza geral -- verifique as instalações da cozinha (muitos bebês fazem uma ou duas refeições no berçário), do local onde as crianças são banhadas ou trocadas e até as condições dos brinquedos espalhados pelo lugar.
  • Pergunte qual é o procedimento da escola em caso de doença. Pode até ser inconveniente para pais que trabalham se a escola proibir a frequência da criança ao estabelecimento em caso de febre; por outro lado, esse tipo de procedimento mostra que a direção se preocupa com a saúde dos alunos e procura evitar a disseminação de doenças contagiosas. Nenhum pai ou mãe quer ver o filho doente a toda hora.
  • Verifique se há locais para os profissionais lavarem as mãos com frequência e se as crianças ficam confinadas em espaços muito pequenos em dias de frio ou chuva. 
  • O ideal é que não haja mistura de bebês com crianças mais velhas, e que os funcionários do berçário não atendam as outras crianças, porque as doenças são diferentes de acordo com a faixa etária. Veja também se a escola exige cópia da carteira de vacinação na hora da matrícula.


 

Outras Notícias

 

A importância da educação inclusiva na educação infantil
Postado em 13/01/2018

O processo educacional é uma fase da vida que reflete diretamente no comportamento futuro dos indivíduos, é nessa fase que as pessoas aprendem a lidar com as dificuldades, obstáculos, limitações e diferenças. A educação inclusiva &eac...
leia mais »

Crianças que tomam café da manhã regularmente são mais inteligentes
Postado em 06/01/2018

Pão, leite, frutas, iogurte. Tomar café da manhã regularmente faz muita diferença na vida das crianças. Um dos principais benefícios é o desenvolvimento da inteligência. Já falamos sobre esse assunto na Crescer, mas um novo estudo refo...
leia mais »

Videogame faz mal para as crianças?
Postado em 30/12/2017

No computador, no celular, na televisão, no console portátil... Os jogos eletrônicos estão em todos os lugares e fazem a cabeça não só de crianças e jovens, mas também de muitos adultos. Seu filho com certeza passa algumas (ou muitas) ...
leia mais »